20 dezembro 2007

Adoro

Que aos 8 anos, ainda
- nos trates por Mamã e Papá.
- acredites no Pai Natal
- não tens pressa de crescer, e gostes de ser pequenina

18 dezembro 2007

Parabéns Pipoca

Parabéns Pipoca!
Parece que foi ontem que nasceste e já vão oito anos.... oito anos de alegrias e muito amor.
Um dia super feliz, Filhota!

17 dezembro 2007

Motas

O acidente que eu tive e que me tem dado que fazer, foi de mota.
Noutro dia, a Pipoca disse-me que quando for grande não vai andar de mota, para não ficar como eu. A Pipoquinha que estava a ouvir a conversa também disse:
- Eu quando for grande vou andar de mota, que não vou ter um acidente, para não ficar como tu!

12 dezembro 2007

Liquidos

A Pipoquinha de há uns tempos para cá tem-me dito de forma constante: eu tenho que tomar muitos liquidos!
Ontem lá me disse ela novamente:
-Eu tenho que tomar muitos liquidos, não é?
- É...
- E então quando é que me vais dar os liquidos?
Só depois me lembrei que quando ela esteve doentita o médico disse-me que ela devia tomar muitos liquidos... e desde essa data até ontem ela estava à espera de tomar os mesmos!

07 dezembro 2007

Vamos ajudar a Eduarda.

Transplante de medula óssea:
O que se nos pede é muito simples, basta ir das 9h00 às 17h00 do dia 16 de Dezembro, às instalações da Creche da Misericórdia de Gaia, sita na Rua Almeida Costa, N.º 151, em Devesas, para dar sangue.
Depois dessa data, poderá sempre fazê-lo no Hospital S. João.

Este é o texto que está no site da Eduarda:

A Eduarda tem 29 anos e uma Leucemia Mielóide Aguda - LMA. Para a vencer, precisa urgentemente de um transplante de medula óssea. Infelizmente, os familiares não são compatíveis! É por isso que a Eduarda precisa de si. Não custa nada, só lhe pedimos a sua solidariedade e que se inscreva no Banco de Dadores de Medula Óssea.
Fazer a diferença

Cada manhã, um escritor caminhava à beira-mar para se inspirar e à tarde ficava em casa a escrever. Certo dia, viu que uma criança que apanhava estrelas-do-mar na areia e, uma por uma, as colocava no mar. "Porque fazes isso?" - perguntou o escritor. "O senhor não está a ver! - explicou a criança - a maré está baixa e o sol está muito quente. As estrelinhas-do-mar vão secar e morrer se ficarem aqui na areia". O escritor espantou-se. "Existem milhares de praias neste mundo e milhões de estrelas-do-mar. Que diferença irá fazer? Tu salvas umas poucas, mas a maioria acaba por morrer". A criança parou a olhar para o escritor, mas instantes depois pegou noutra estrela-do-mar, colocou-a no mar e disse ao escritor: "A esta fiz diferença". E seguiu caminho continuando a sua "missão". Naquela noite o escritor não conseguiu dormir, e pela manhã voltou à praia ao encontro da criança. Uniu-se a ela e, juntos, começaram a devolver as estrelas-do-mar ao oceano.
Autor desconhecido

04 dezembro 2007

Da Pipoca

- Não quero "almongas"
- Não é "almongas" que se diz...
- Ah pois não... "almongadas"!

Doentita

Era o que mais me faltava... amanhã tenho que ir a Lisboa em trabalho, apanho o comboio à 6,45h e hoje a Pipoquinha ficou doente.
Está com 39,5º de febre e queixa-se de dores de garganta e nas pernas.
Estou à espera do médico, mas deve ser uma amigdalite.

Natal

É oficial...
já chegou lá a casa!
Fizemos a àrvore e comemos rabanadas.
Agora só faltam as cartas para o Pai Natal.