30 junho 2009

Projecto de Ciências

Hoje a Pipoca foi para Santa Maria da Feira (com o Magalhães emprestado!), participar no Projecto de Ciências.
Li agora no JN pormenores:

Ciência escolar aplicada em 300 projectos
Prémios da Fundação Ilídio Pinho vão ser esta terça-feira revelados e entregues na feira ComCiência


Mais de 300 projectos científicos de 150 escolas do país estão, desde esta segunda-feira, em exposição no Europarque, em Santa Maria da Feira. Professores e alunos aplaudem uma iniciativa fundamental para promover a ciência escolar.

Uma clínica pediátrica para computadores Magalhães, um caixote separador automático de embalagens de plástico ou um equipamento capaz de comandar e visualizar através da internet diferentes máquinas são alguns exemplos dos projectos promovidos pelas escolas nacionais que se encontram expostos na iniciativa "Escola ComCiência - Encontros e Desafios", uma organização do Ministério da Educação em colaboração com a Fundação Ilídio Pinho (FIP).

Numa área superior a 12 mil metros quadrados do Europarque, alunos e professores exibem os seus trabalhos. Pequenos robôs de vários feitios e com diferentes capacidades a que se juntam modernos mecanismos rodeados de fios multicolores. Alguns concorrem ao prémio da FIP "Ciência na Escola", que este ano versa a Matemática, aliada às tecnologias da informação e comunicação, como área da ciência escolhida. Concorreram 229 projectos dos ensinos básicos e secundário e 94 projectos dos ensinos pré-escolar e do 1.º ciclo. Os prémios têm um valor global de 250 mil euros, já contando com o financiamento prévio aos projectos aprovados.

"A maioria das pessoas não espera encontrar coisas com tanta criatividade, qualidade e imaginação como as que estão expostas". "Esta é uma oportunidade para premiar os melhores e dar oportunidade a todos os portugueses de conhecerem o excelente trabalho que se faz nesta área da ciência e tecnologia" afirmou o secretário de Estado da Educação, Valter Lemos, que presidiu à sessão inaugural.

Para este responsável governamental houve "um imenso progresso das escolas portuguesas" nestas áreas que, na sua opinião, são também o reflexo do investimento de 400 milhões de euros no plano tecnológico para as escolas. "Os trabalhos expostos demonstram bem as condições de trabalho que as escolas têm". "Ao contrário da imagem que as pessoas têm (…) as escolas portuguesas estão muito mais modernas e mais bem equipadas e isso vê-se nestes acontecimentos e no empenho de alunos e professores" disse.

Valter Lemos fez questão de realçar que a o desenvolvimento demonstrado pelas escolas são, ainda, consequência do acréscimo de horas dedicadas ao ensino tecnológico que o Governo implementou nos estabelecimentos de ensino. ""Hoje temos mais trabalho experimental dos alunos e professores nas escolas graças a esse pormenor" concluiu.

Para Ilídio Pinho, fundador e responsável pela fundação com o seu nome, esta iniciativa representa "um grande pontapé de saída para uma nova postura em Portugal orientada para a ciência". "Se não houver desenvolvimento científico nos jovens não passaremos de exportadores de mão-de-obra pouco qualificada de apenas criados e criadas para o mundo" acrescentou.

Antecipando a entrega do prémio às escolas concorrentes Ilídio Pinho afirma que os projectos apresentados a concurso "são muito interessantes e vão seguramente impressionar pelo potencial e nova mentalidade da nossa juventude", garantiu.

1 comentário:

Sérgio Aires disse...

Coitada da Pipoca!!! Expôr uma criatura a semelhante tortura em tão tenra idade devia ser crime!!!